Reitora da UFMS e 7 servidores são processados por usar laboratório para serviços pessoais

Célia Maria da Silva Oliveira, reitora da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), e outros sete servidores da instituição enfrentam a processo, na Justiça Federal, por conta de denúncias de que laboratório do curso de Engenharia estava sendo usado ilegalmente para prestação de serviços a empresas privadas. A ação civil por improbidade administrativa foi proposta pelo procurador Rodrigo Timóteo da Costa e Silva, do Ministério Público Federal (MPF).

A reitora admite que a Fundação de Apoio à Pesquisa, ao Ensino e à Cultura (Fapec), vinculada à UFMS, prestou serviços a particulares, utilizando a estrutura da UFMS, de forma irregular. A fundação teria cobrado pelos trabalhos.

Celia Maria, no entanto, não deu mais detalhes sobre as acusações. A reitora defende-se alegando que “essas atividades” aconteciam em anos anteriores à sua gestão, que teve início em 2009. Ela afirma, ainda, que tomou conhecimento do que acontecia quando precisou responder a inquérito do Ministério Público Federal. “Isso não acontece mais”, garantiu em entrevista ao Capital News.

Célia Maria disse, ainda, que quando ficou sabendo das tais “atividades”, por meio de ofício, proibiu que a fundação prestasse qualquer tipo de serviço que não fosse por meio de convênio devidamente aprovado pelo Conselho Universitário. “Quando a atual administração soube, proibimos toda e qualquer atividade, que professor algum serviço para fora, sem que houvesse convênio e aprovação do Conselho Universitário”, frisou.

Além da reitora, são réus na ação de improbidade, sete pessoas: Denivaldo Teixeira dos Santos, Jorge Gonda, José Luiz Gonçalves, Luiz Carlos de Mesquita, Maria Lúcia Ribeiro, Ronaldo Rodrigues Fagundes e Silvia Salles Publio.

O processo tramita na 2ª Vara Federal de Campo Grande desde o dia 5 de fevereiro, porém, a reitora ressaltou que ainda não foi notificada da ação judicial.

A reportagem tentou mais detalhes com o Ministério Público Federal sobre as acusações e entrevista com o procurador. Mas, por meio a assessoria de imprensa, o Capital News foi informado que, por enquanto, informações sobre a ação não serão divulgadas.

Mandato

Céilia Maria da Silva Oliveira assumiu a reitoria da UFMS em 2009 e foi reeleita em 2012 para administrar orçamento anual de cerca de R$ 450 milhões, maior que a receita de pelo menos 70 municípios do Estado.

 


Fonte: Anahi Zurutuza – Capital News (www.capitalnews.com.br)