Privatização de rodovias em MS entra em pauta na Assembleia nesta terça

Projeto de autoria do governo do estado que dispõe sobre a privatização de rodovias em Mato Grosso do Sul deve começar a tramitar nesta terça-feira (4) na Assembleia Legislativa. Segundo o presidente do legislativo, Jerson Domingos (PMDB), a matéria foi encaminhada na segunda-feira (3) pelo chefe do Executivo, André Puccinelli (PMDB).

Domingos afirma que fará a leitura do texto para dar conhecimento aos deputados na sessão desta terça, a primeira ordinária do ano, e, em seguida, encaminhará às comissões da Casa. Posteriormente, o projeto vai à votação.

A expectativa, conforme o chefe do Legislativo, é que Puccinelli acelere o envio de projetos até maio por conta da proximidade com as eleições.

Para as primeiras semanas de trabalho, o presidente da Assembleia afirma que estarão em pauta projetos analisados em primeira discussão em 2013 e vetos pendentes de aprovação.
Sobre as prioridades para 2014, o peemedebista disse desconhecer, neste início de ano, algum projeto específico a ser sugerido pela Assembleia ou a ser enviado pelo Executivo.

Eleições
Domingos negou que a realização da Copa do Mundo e as eleições estaduais prejudicarão os trabalhos do legislativo neste ano. “Não podemos paralisar nosso trabalho ou tardar a aprovação de projetos. Os [deputados] que estão em seu mandato terão, antes de mais nada, que cumprir com seu tempo, seus horários e obrigações no parlamento”, disse o peemedebista ao G1.

Ainda sobre o Mundial, o parlamentar disse ser contra a realização e que o país não está preparado para sediar o evento. “Os valores que estão sendo investidos em estádios, reformas, construções, ampliações de aeroportos, se fossem aplicados na saúde, segurança pública, no combate ao narcotráfico, seria de um aproveitamento muito melhor, até nos conflitos agrários no nosso estado. É um dinheiro jogado fora, mal aproveitado”.

Segundo ele, 22 dos 24 deputados devem disputar a reeleição. A exceção deve ser Londres Machado (PR) e o próprio Jerson, que devem abrir mão da disputa. Domingos revelou que se dedicará a apoiar a campanha de sua irmã, a ex-vereadora de Campo Grande Tereza Name, a uma cadeira na Casa.

Deputados estaduais concordam que será um desafio fazer campanha política e manter a produção no Legislativo. “Não é fácil conciliar mandato e campanha”, disse Dione Hashioka (PSDB).

“Precisamos trabalhar mais e dar conta das duas coisas. É perfeitamente possível”, opinou Amarildo Cruz (PT). Já Paulo Corrêa (PR) afirmou que a receita é separar “a produção legislativa com o ano político”.