Presos da Máxima causam princípio de rebelião em delegacia no Centro

Um princípio de rebelião foi liderado por presos da Penitenciária de Segurança Máxima, ontem (13) à noite, na Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) Centro, em Campo Grande. Eles foram levados à delegacia para serem autuados, quando aproveitaram a presença de apenas dois investigadores e um delegado, para iniciar o motim. O tumulto só foi contido com a ajuda da Polícia Militar.

Segundo o sindicato da categoria, nove dos 22 detentos são de Sidrolândia, já que a cadeia do município está interditada. Os outros 13 são da Capital, sendo que três chegaram do presídio de Segurança Máxima para serem autuados por novos crimes. Estes últimos instigaram os presos a quebrar um cadeado e fugir da delegacia.

“Eles já estavam nos corredores quando o fato ocorreu. Se não fosse a ajuda da Polícia Militar para barrá-los, teriam conseguido fugir. E os três só não foram recambiados para o presídio porque não tinha veículo de escolta, causando todo esse tumulto”, conta o presidente Alexandre Barbosa.

No mesmo dia, o Sinpol/MS distribuiu sete outdoors pela cidade, falando sobre as suas reais condições de trabalho. “Estamos externando para a população a nossa realidade, para que eles nos apóiem nessa campanha. No sábado (22), teremos uma assembléia para discutir sobre a retirada de presos da delegacia”, conta o presidente.

Atualmente, segundo Barbosa, as delegacias do Estado estão com 701 detentos. “Mais uma vez digo que o nosso trabalho é fazer investigação e não a custódia de presos. O Judiciário está equivocado neste sentido. E a falta de estrutura também está refletindo na perca dos nossos policiais. Neste mês, dois policiais já foram mortos e por isso tamanha a nossa insatisfação”, finaliza o presidente.

“Bate grade” – Titular das duas unidades policiais 24h da cidade, o delegado Fernando Nogueira ressaltou que realmente a confusão foi de autoria de três presos.

“Eles estavam na Depac para terem o agravante do tráfico de drogas e agitaram o movimento, porque disseram que queriam voltar logo para o presídio. Nós solicitamos a escolta, que chegou às 21h30 e por isso eles ficaram agredindo verbalmente os policiais. No entanto, não houve fuga”, comenta o delegado.

Sobre os presos de Sidrolândia, o delegado ressalta que o Poder Judiciário está tomando “providências urgentes” para resolver a questão.

 

Delegacia onde ocorreu princípio de rebelião. Foto: Google Street View