Polícia encontra escova elétrica em caixa com suspeita de bomba na Capital

Após duas horas de trabalho, policiais militares do Batalhão de Operações Especiais (Bope) liberaram o acesso dos funcionários ao prédio dos Correios, localizado na avenida Presidente Ernesto Geisel, em Campo Grande. O objeto suspeito, detectado por um operador postal no raio-x na manhã desta quarta-feira (26), foi identificado. Segundo o gerente de segurança da unidade, Márcio Nei Mendes Moreira, dentro da caixa de encomenda foi encontrada uma escova de cabelo elétrica.

  •  

avenida presidente ernesto geisel

O prédio começou a ser evacuado às 7h (de MS) e 200 funcionários que aguardavam do lado de fora puderam retornar ao interior do local por volta das 9h. Um especialista em explosivos do Bope analisou a caixa.

Ainda segundo Moreira, no mesmo pacote, de cerca de 50 centímetros por 10 centímetros, também foi encontrado um rádio de pilha ligado. “Este objeto é que estava emitindo o barulho que foi verificado pelo operador postal”, esclareceu o gerente de segurança.

Funcionários aguardaram fora do prédio por aproximadamente duas horas (Foto: Tatiane Queiroz/ G1 MS)Funcionários aguardaram fora do prédio por aproximadamente duas horas (Foto: Tatiane Queiroz/ G1 MS)

Segundo informações da assessoria de imprensa dos Correios, a caixa de encomenda veio dePonta Porã, cidade localizada na região sul de Mato Grosso do Sul, na fronteira do Brasil com o Paraguai.

Para garantir a segurança dos funcionários, a Polícia Militar de Ponta Porã localizou a remetente e pediu uma autorização para a abertura da embalagem. A mulher informou à polícia que a encomenda foi enviada para uma familiar, que mora no Pará.

Tenente do Grupamento de Bombas do Bope em Campo Grande (Foto: Tatiane Queiroz/ G1 MS)Tenente do Grupamento de Bombas do Bope em
Campo Grande (Foto: Tatiane Queiroz/ G1 MS)

Segurança
O tenente Ronaldo Moreira de Araújo, do Grupamento de Bombas do Bope, disse ao G1que a evacuação é sempre necessária quando a ameaça de explosivos no local. “As características do objeto batiam co as características de um artefato, por isso fizemos o procedimento de segurança”, explicou.

O gerente de segurança dos Correios afirmou que 30% das encomendas que passam pela unidade em Campo Grande vão para o raio-x. A vistoria inclui todas as embalagens que saem das cidades que ficam na região de fronteira do Brasil com o Paraguai ou com a Bolívia, e as caixas que são enviadas para os presídios do estado.