Na fronteira, Hospital Regional de Ponta Porã reduz fila de espera por cirurgias pelo SUS

Na fronteira, Hospital Regional de Ponta Porã reduz fila de espera por cirurgias pelo SUS

Campo Grande (MS) – Na região Sul-fronteira de Mato Grosso do Sul, o Hospital Regional Dr. José Simone Netto (Hospital Regional de Ponta Porã – HRPP) vem dando resolutividade aos problemas de saúde de oito municípios. A unidade está reduzindo a fila de espera por cirurgias eletivas pelo Sistema Único de Saúde (SUS) – que em cidades como Sete Quedas, por exemplo, está perto de ser zerada.

A gestão do hospital é conduzida pelo Instituto Gerir, organização social contratada pelo Governo do Estado em agosto de 2016. De lá para cá foram realizadas 3.615 cirurgias eletivas. No primeiro ano foram 481 procedimentos; no ano seguinte foram 2.746; e em 2018, entre os meses de janeiro e abril, 388.

Os números, para o governador Reinaldo Azambuja, são frutos da regionalização da saúde em Mato Grosso do Sul. “Criamos uma rede de atendimento mais próxima das pessoas. Antigamente tudo era centralizado nos grandes centros. Hoje, o cidadão não precisa atravessar o Estado em busca da saúde”, afirma.

O HRPP é referência de atendimento da população que vive nos municípios de Amambai, Antônio João, Aral Moreira, Coronel Sapucaia, Paranhos, Ponta Porã, Sete Quedas e Tacuru. São cerca de 200 mil habitantes, conforme estimativa do IBGE.

“A abertura do Hospital Regional de Ponta Porã trouxe uma comodidade enorme para os moradores de Sete Quedas. A solução dos problemas de saúde foi espantosa. Praticamente conseguimos zerar a fila de espera por cirurgias eletivas, que eram 124 e hoje está a menos de 10 – que são casos de situação de risco”, revela o prefeito Chico Piroli.

Pacientes que antes precisavam percorrer longos caminhos de mais de quatro horas até Dourados ou Campo Grande agora encontram na própria região serviços de saúde de qualidade (internação em Clínica Médica, Ortopédica, Cirúrgica, Obstétrica e Pediátrica; cirurgias de médio e pequeno porte em Centro Cirúrgico; Pronto Atendimento em regime de livre demanda ou referenciada; UTI adulto; e exames de Raio X, Tomografia Computadorizada, Ultrassonografia e Eletrocardiograma).

Além de dar mais comodidade aos pacientes da região sul-fronteira, o HRPP ainda contribui para a economia dos cofres das prefeituras, indica o secretário municipal de Saúde de Coronel Sapucaia, Flávio Galdino. “Os benefícios com a reorganização do atendimento de saúde são muitos. Entre eles a economia de recursos, pois as despesas para levar um paciente até Campo Grande ou Dourados eram maiores”, diz.

No primeiro ano foram 481 procedimentos; no ano seguinte, 2.746; e, em 2018, de janeiro a abril, 388 práticas.

Estrutura

O Hospital Regional de Ponta Porã possui 97 leitos, sendo 32 de Clínica Médica, 29 Clínica Cirúrgica/Ortopédica, 20 Clínica Obstétrica e 16 de Clínica pediátrica. Possui também 10 leitos de Unidade de Terapia Intensiva, 15 leitos na sala amarela e três salas no Centro Cirúrgico.

Bruno Chaves – Subsecretaria de Comunicação (Subcom)

Fotos: Leonardo Cremer

Posts Relacionados

Facebook Comments