Ministro da Justiça, da Secretaria Geral e AGU chegam para reunião às 11h30

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, acompanhado do ministro chefe da Secretaria Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho e do Advogado Geral da União, Luís Inácio Adams, retorna a Mato Grosso do Sul no final da manhã de hoje para discutir o conflito fundiário. José Eduardo Cardozo visitou Campo Grande no dia 5 de junho.

Eles chegam à Capital às 11h30 e a reunião será às 15h30, no Centro de Convenções Rubens Gil de Camilo. Até o momento, a Secretária de Direitos Humanos da Presidência da República, Maria do Rosário, não confirmou presença.

A reunião deve ser feita com lideranças indígenas e representantes dos produtores rurais, Funai (Fundação Nacional do Índio), Famasul (Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de MS) , Acrissul (Associação dos Criados de Mato Grosso do Sul) e o governador do Estado, André Puccinelli.

Na semana passada, em reunião no CNJ (Conselho Nacional de Justiça), o ministro declarou que terras confiscadas do tráfico de drogas poderiam ser utilizadas como moeda de troca com os fazendeiros. No entanto, admitiu que a União não tem levantamento das áreas disponíveis.

O conflito fundiário se agravou em Mato Grosso do Sul no mês de maio. Índios invadiram a fazenda Buriti, em Sidrolândia e a ação de reintegração de posse resultou na morte do terena Oziel Gabriel, de 35 anos. Dias depois, o terena Joziel Gabriel, de 34 anos, foi baleado na coluna.

Na semana passada, em Paranhos, foi assassinado Celso Figueiredo, de 34 anos. Para a Polícia Civil, este último crime não foi por conflito de terra.