Hong Kong confisca carregamento de marfim e peles de R$ 12,2 milhões

Hong Kong apreende grande carregamento de marfim, chifres de rinoceronte e pele de leopardo. (Foto: AP Photo/Vincent Yu)Carregamento de marfim, chifres de rinoceronte e pele de leopardo é exposto. (Foto: AP Photo/Vincent Yu)

Funcionários da alfândega de Hong Kong confiscaram um carregamento ilegal de marfim, chifres de rinoceronte e pele de leopardos no valor de US$ 5,3 milhões (ou R$ 12,2 milhões), de acordo com a AP. Esta é a segunda grande apreensão de produtos relacionados a espécies ameaçadas em um mês.

A ação foi motivada por uma dica de funcionários da alfândega da China continental, as autoridades do porto de Hong Kong confiscaram 1.120 presas de marfim, 13 chifres de rinocerontes e 5 peles de leopardo. O carregamento todo pesava 2.266 quilos, de acordo com Vincent Wong, coordenador da alfândega dos portos.

Os produtos foram encontrados nesta terça-feira (6) em  21 engradados escondidos em um container cheio de madeira vindo da Nigéria. De acordo com a AFP, o porto de Hong Kong é um dos mais movimentados do mundo.

Ativistas ambientais afirmam que a presença crescente da China na África é responsável por uma onda de caça ilegal de elefantes para obtenção de suas presas, a maioria das quais são contrabandeadas para a China e para a Tailândia para fazer ornamentos de marfim.

De acordo com um órgão internacional que monitora espécies em perigo, CITES, o comércio ilegal de marfim mais do que dobrou desde 2007.

O marfim pode chegar a US$ 2 mil (ou R$ 4,6 mil) por quilo no mercado negro. Uma presa inteira pode valer mais do que US$ 50 mil (ou R$ 115 mil).

Ninguém foi preso. Na lei de Hong Kong, a punição pelo contrabando de produtos relativos a espécies em perigo é de até dois anos de prisão e multa de até US$ 645 mil (ou R$ 1,5 milhões).

Esta é a segunda apreensão no mês de produtos de espécies ameaçadas (Foto: Vincent Yu/AP)Esta é a segunda apreensão no mês de produtos de espécies ameaçadas (Foto: Vincent Yu/AP)
Chifres de rinoceronte (centro) e presas de marfim são catalogadas por funcionários da alfândega de Hong Kong. (Foto: Reuters/Bobby Yip)Chifres de rinoceronte (centro) e presas de marfim são catalogadas por funcionários da alfândega de Hong Kong. (Foto: Reuters/Bobby Yip)
G1