Empresa pede mais prazo para entregar iPhone a cliente que recebeu sabonetes

Empresa pede mais prazo para entregar iPhone a cliente que recebeu sabonetes

A empresa B2W, responsável pelos sites de vendas online Americanas, Submarino e Shoptime, pediu novo prazo a estudante que recebeu seis sabonetes no lugar de um iPhone 8 e a entrega só deve acontecer em 40 dias. Este é o segundo contato do grupo, já que na última quarta-feira (4), a promessa era de uma solução em cinco dias. Outros dois casos semelhantes aconteceram na Capital .

estudante Bárbara Drielle Corrêa, de 28 anos, já havia esperado o smartphone por 20 dias, mas no último dia 2 de abril, recebeu uma caixa com seis sabonetes. No dia seguinte, 3 de abril, a empresa procurou a cliente e propôs uma solução em cinco dias.

Na ocasião, entre o dinheiro de volta e o reenvio do aparelho, Bárbara preferiu o smartphone, que teve como investimento o valor de R$ 3 mil. Porém, no dia 4 de abril, um novo contato foi feito e por e-mail a empresa detalhou o cancelamento da primeira entrega e abriu prazo para a segunda até o dia 11 de maio de 2018. “Entraram em contato ontem e deram um novo prazo para o envio do produto, o que acho um absurdo, pois está muito longe”, disse.

Apesar da tentativa de solução direta com os clientes, a causa do problema ainda é mistério e não foi esclarecida. Não há informações sobre a ação de hackers ou com serviços internos das empresas. A B2W garantiu divulgar um posicionamento na quinta-feira (12), quando encerra prazo prometido, de sete dias úteis.

O que fazer? Em casos como este, em que o consumidor recebe algo diferente do que o esperado, o Procon (Superintendência para Orientação e Defesa do Consumidor) orienta a procurar a polícia.
Conforme o superintendente Marcelo Salomão, além do boletim de ocorrência, o consumidor deve abrir um chamado no Procon. Esta última medida é para que os responsáveis pelo site possam ser acionados, caso se trate de um problema interno da empresa, da transportadora ou dos entregadores.

A Decon (Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes Contra as Relações de Consumo) reiterou que antes do registro deve haver tentativa de solução com a empresa. Só haverá crime, se o remetente se opor a resolver.

Outros casos – Além de Bárbara, foram vítimas uma professora de 51 anos e um analista de sistemas, de 36 anos. No entanto, já tiveram as situações solucionadas.

CAMPOGRANDENEWS

Posts Relacionados

Facebook Comments