Dourados: Preocupados com reintegração, acampados do Clímax fazem 'manifesto da sombrinha'

Thalyta Andrade

 

O grupo de mais de 500 famílias que estão atualmente acampadas no terreno destinado à construção do Residencial Estrela Guassu, no Jardim Clímax, realizou no final da tarde de ontem (5) o movimento que eles batizaram como ‘manifesto da sombrinha’.

 

O nome, segundo os próprios acampados, foi dado em alusão ao que foi prometido pelo prefeito Murilo Zauith (PSB) no dia 22 de janeiro durante reunião com uma comissão de representantes das famílias na sede do CAM (Centro Administrativo Municipal).

 

O prefeito afirmou aos representantes das famílias que eles estariam “sob o guarda-chuva da prefeitura” e que a administração faria tudo que é possível para ajudá-los.

 

Uma determinação de reintegração de posse do terreno, que pertence a prefeitura, está em andamento. A decisão foi expedida pela 6ª Vara Cível de Dourados e assinada pelo juiz José Domingues Filho.

 

Receosos com o andamento e o cumprimento da ordem judicial, já que após cada família ser notificada, todas deverão se retirar uma a uma da área em um prazo máximo de cinco dias, os acampados fizeram o manifesto para “lembrar” o que foi prometido à eles, que alegam não ter para onde ir.

 

O impasse envolvendo a invasão do terreno que é destinado à construção de obras do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) que estão paradas desde fevereiro de 2013 começou no dia 8 de janeiro e, desde então, outras áreas ao entorno do Estrela Guassu – entre propriedades privadas, públicas e áreas de preservação ambiental – também foram invadidas.