Dicas para impor limites aos filhos sem dizer "não"

A tarefa de educar os filhos e impor limites em seu comportamento e ações pode ser difícil de realizar sem o uso frequente da palavra “não”. No entanto, existem algumas formas de cumprir essa tarefa de maneira mais amena.

Uma das tarefas mais difíceis para os pais é impor limites aos filhos, pois muitos não se sentem confortáveis em dizer “não”. No entanto, existem outras formas de se fazer respeitar, com resultados mais eficazes.

Uma das dúvidas dos pais sobre os limites que devem impor aos filhos está relacionada ao equilíbrio entre autoridade e flexibilidade. O segredo é assumir uma posição equilibrada, que lhe permita ser firme e amigável ao mesmo tempo. As dicas a seguir podem ajudar seu filho a se acostumar com os limites que ele encontrará na vida diária.

Diga “sim” sempre que possível

Judy Arnall, educadora e autora do livro “Disciplina sem Dor”, afirma que é bom dizer “sim” tantas vezes quanto forem necessárias e utilizar outras técnicas para evitar o uso da palavra “não”.

Ela também afirma que existem “nãos” importantes que devem ser claramente indicados, sobretudo quando estão relacionados com comportamentos inapropriados, como morder ou bater. Arnall afirma que “Saber dizer ‘não’ é uma habilidade útil que não se deve ser dispensada”.

Recorra a ordens positivas e ao humor

As primeiras ordens para impor limites costumam ser dadas de forma negativa: “não corra” ou “não chore”. Uma alternativa possível é sugerir que a criança faça outra coisa. Por exemplo, em vez de dizer “não corra”, convide-a para andar; em vez de ordenar “não grite”, utilize uma frase mais leve, mas com o mesmo peso, como “está na hora de falar mais baixo”.

O humor também é uma boa solução. As crianças costumam não aceitar bem a negativa dos pais e é provável que fiquem com raiva, mas o bom humor ajuda a impor limites e a evitar conflitos. Um bom modo de empregar o humor é pegar uma escova de dente (ou outro objeto), falar com uma voz engraçada e explicar para a criança por que ela não deve ter certas atitudes ou se comportar mal.

Use um tom firme, mas amávela

A maneira de dar ordens influencia a reação da criança. Dessa forma, um tom duro, agudo ou alto pode estimular um comportamento impróprio em vez de acalmá-la, tornando-a mais combativa e predisposta a desobedecer.

Para evitar isso, é preciso manter um tom de voz tranquilo, mas que demonstre firmeza, sem usar palavras que possam confundir a criança.

Além disso, o comando deve ser acompanhado de linguagem não verbal. Do ponto de vista da criança, os pais são pessoas “enormes” e podem inspirar temor. É melhor agachar para falar com a criança e usar uma expressão facial neutra. Apoiar as mãos sobre seus ombros também ajuda na tarefa.

Seja coerente

Muitos pais costumam estabelecer limites para desrespeitá-los pouco depois. Isso confunde a criança e causar insegurança. Para evitar essa situação, é preciso confiar no próprio bom senso e respeitar a decisão tomada.

Depois de algum tempo, é possível que você mude de ideia, já que a criança está crescendo e os limites podem ser modificados. A nova decisão, no entanto, deve ser coerente e ficar clara para a criança.

Antecipe as ações da criança

É importante que os pais antecipem as ações do filho, especialmente quando sabem que ele tentará se livrar de uma ordem que não deseja cumprir.

Os pais precisam conhecer seus próprios limites e pensar de maneira estratégica, conhecendo as possíveis reações do filho diante de uma negativa para não fraquejar caso ele tenha um acesso de raiva. Uma maneira de desviar a atenção é oferecer uma alternativa satisfatória para a criança. No entanto, essa estratégia deve ser preparada com antecedência.