CABEÇAS DE IRMÃS SEQUESTRADAS QUEIMADAS E ENCONTRADO NA FRONTEIRA

Horas após os agentes da Divisão de Homicídios confirmarem a execução das irmãs Fabiana Aguayo Baez (23) e Adriana Aguayo Baez (28) que se encontravam residindo em uma residência situada no bairro Obrero da cidade paraguaia de Pedro Juan Caballero na fronteira com Ponta Porã, onde na tarde de quarta feira (07) por volta das 15:40hs, chegaram vários homens armados a bordo de uma camionete branca tipo Mitsubishi Triton e encapuzados que invadiram a residência onde após matar o cachorro com três disparos de pistola 9mm, sequestraram as duas irmãs, foram encontradas queimadas na madrugada de quinta feira (08) por volta das 0130hs, em um caminho vicinal próximo a ruta 5ta na fração Perpetuo Socorro situada a uns 08 kilometros da fronteira, moradores alertaram os agentes da Policia Nacional, manifestando que as cabeças das vitimas se encontravam em uma vala a beira da estrada no interior de bolsas de lixo a uns 400m metros de onde os corpos e a camionete foram queimados durante a madrugada.

Os agentes da Divisão de Homicídios e da Policia Técnica imediatamente se dirigiram ao local e com o apoio do promotor de justiça Martin Areco, realizaram os trabalhos de praxe e identificação das cabeças que teriam sido retiradas do corpo das vitimas antes de ser queimada durante a madrugada desta quinta feira.

Segundo informações da policia paraguaia, as duas irmãs teriam sido torturadas e tiveram seus membros inferiores e superiores desmembrados do corpo e posteriormente foram levadas ate o local onde durante a madrugada foram encontradas queimando.

A execução das mesmas, segundo os agentes do SIG (Setor de Investigação geral ) da Policia Civil, teria se dado, quando Fabiana a uns 15 dias decidir terminar o relacionamento com o marido identificado como Juliano pereira (39) interno da Penitenciaria da cidade de Campo Grande capital do Mato Grosso do Sul e este não teria aceitado o fim do relacionamento nem que a mulher começara a fornecer cargas de drogas ao grupo, esta situação teria gerado uma agressão no interior do próprio presidio contra Fabiana, onde Juliano Pereira estaria gozando de vários privilégios dados pelas autoridades penitenciarias ao mesmo em troca de informações.

Poranews